Médicos de hospital de Canoas paralisam serviços

Imprimir

As atividades referentes ao ambulatório (consultas eletivas) e emergência do Hospital Nossa Senhora das Graças, conhecido como Gracinha, em Canoas, foram paralisadas nesta segunda-feira, 7 de maio,  por prazo indeterminado. Também estão suspensos os atendimentos por parte do convênio médico FASSEM (que só pode ser contratado pelos servidores públicos municipais). “Atenderemos com 30% da capacidade por tempo indeterminado até que a Secretaria de Saúde abra uma frente de diálogo conosco”, ressalta o coordenador médico do bloco cirúrgico da instituição, Vitor Alves.
Alguns médicos do Gracinha, contratados como pessoa jurídica, não recebem remunerações em dia desde janeiro deste ano. Apenas os contratados via CLT estão recebendo no prazo. Além desse desacordo de contratos, há falta de repasses por parte da prefeitura de Canoas.
Durante a reunião no começo da tarde desta segunda em que foi votada e aprvada a paralisação, os médicos do corpo clínico relataram que tentaram conversar diversas vezes com a Secretaria Municipal de Saúde, mas nunca obtiveram êxito. Conforme os relatos apresentados na reunião, a prefeitura de Canoas deve ao hospital cerca de R$ 5 milhões. Já o FASSEM deve R$ 1,9 milhão.
“O SIMERS está acompanhando de forma atenta a mais esta situação com a saúde dos moradores de Canoas. É inadmissível que mais um hospital de nosso Estado esteja à mercê da falta de entendimento sobre as dívidas entre a Prefeitura e o Hospital”, destaca a diretora da entidade médica Gisele Lobato.